AUS000822E_Banner_Internet_Niver_Vale-do-Aco_Usiminas_728x90px
CENIBRA BANNER ABRIL DE 2022 Portal-Caminhos-Gerais

Até o dia 20 deste mês de janeiro, a Exposição Tradição e Contemporaneidade, do fotógrafo premiado, Rodrigo Zeferino estará na Estação Memória Zeza Souto

Rodrigo Zeferino

O espaço cultural que tem como atração a mostra das séries “Arredores do Aço” e “Aqui de perto você me vê melhor” estará aberta ao público, de 8 às 18 horas, no centro de Ipatinga. Na abertura da exposição, o artista visual lançou seu fotolivro “O Grande Vizinho” (Editora Tempo d’Imagem, 2020), “uma abordagem visual sobre a paisagem peculiar da cidade de Ipatinga, centro econômico-industrial do Vale do Aço mineiro”, segundo define o premiado artista da fotografia.

As fotografias que compõem a mostra, são doze painéis impressos em pigmento mineral sobre papel de algodão. Arredores do Aço, “que traz uma sequência de dípticos em tons de cinza, evidenciando a dicotomia ainda resistente na região do Vale do Aço, onde áreas com forte presença da indústria coexistem em relativa proximidade com zonas rurais, nas quais hábitos ancestrais e a vida em contato com a terra ainda são predominantes. Cada par de fotografias exibe, do lado esquerdo, uma cena bucólica e, do lado direito, traços da existência incômoda da indústria nas proximidades daquela mesma comunidade rural.”, explica Rodrigo Zeferino.

Uma das fotografias impresso em pigmento mineral sobre papel de algodão

A série Aqui de perto você me vê melhor também integra a mostra do fotógrafo. Quatro fotografias que compõem o ensaio, conforme define Rodrigo Zeferino, são narrativas contadas nas cicatrizes que só o menino do mato em sua peraltice desbravadora, em seu contato íntimo com a natureza, sabe colecionar; na pele do lavrador manchada pelo sol; nos adereços corporais típicos e cotidianos. Para que a atenção se concentre nos detalhes, descartam-se os olhos – essas janelas que evidenciam sentimentos e ganham a atenção de quem vê. Assim, a atenção volta-se para as minúcias fragmentadas no corpo dos fotografados. Aqui o objeto se posta também como sujeito, ao convocar o espectador para dentro de seu mundo, para a sua história”.

O livro “O Grande Vizinho” foi lançado na abertura da exposição

Sobre o livro, Rodrigo explica que as fotografias são uma interpretação sobre a relação dos habitantes de Ipatinga com a Usiminas, que ele chama de “a grande máquina”. “Fundada em 1964, Ipatinga surgiu para abrigar uma gigantesca usina siderúrgica, a Usiminas. A planta situa-se no centro geográfico da cidade e a proximidade entre o ambiente urbano e a indústria impressionam. No skyline ipatinguense, prédios e casas mimetizam com chaminés, torres e altos-fornos, evocando cenários de ficção científica que inspiram o meu trabalho”.

Páginas do livro

O ensaio completo, construído entre os anos de 2016 e 2018, mistura a linguagem de fotografia documental com uma perspectiva artística, e tem um total de 80 imagens, 33 das quais estão presentes na publicação. O projeto foi executado em duas fases distintas. Na primeira, as imagens foram feitas no entorno da usina, sempre durante a noite, tendo a cidade em primeiro plano e as estruturas da siderúrgica ao fundo. A segunda fase traz uma interpretação das áreas internas da planta.

O trabalho que já havia sido recebido o Prêmio FCW de Arte, oferecido pela Fundação Conrado Wessel, de São Paulo – um dos mais importantes da fotografia brasileira – foi novamente laureado em 2019, dessa vez com o Prêmio Foto em Pauta, oferecido pelo Festival de Fotografia de Tiradentes em parceria com a Ipsis Gráfica e a editora Tempo d’Imagem. A premiação viabiliza a publicação de ensaios fotográficos em fotolivro. Com os recursos do prêmio, o livro foi publicado em 2020 e seu lançamento seria realizado na 10ª edição do festival. Contudo, devido à implementação de protocolos de segurança para contar a pandemia de Covid-19, os lançamentos da publicação aconteceram em formato virtual. “Agora, chega este momento oportuno do lançamento presencial, que acontece simultaneamente à exposição de meus ensaios selecionados via edital para a Exposição Tradição e Contemporaneidade”, comemora Rodrigo Zeferino.

Rodrigo Zeferino é graduado em Comunicação e Artes, pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Ele tem Especialização em Artes Plásticas e Contemporaneidade, pela Escola Guignard/UEMG.

Faça um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Você não pode copiar o conteúdo desta página